INOVApps

Entrepreneurship, Game, INOVApps, Programming

Descobri semana passada que o Ministério das Comunicações está organizando um corcurso nacional de Aplicativos e Jogos Sérios para dispositivos móveis. Serão 25 escolhidos em cada categoria com prêmio de 100 mil reais cada! Nada mal se o ganhador for uma pessoa física.

Ministério

Achei particularmente curioso o concurso vir deste ministério e não do MinC (Ministério da Cultura). Há vários anos atrás (acho que em 2003), eu e meu amigo Gabriel participamos do JogosBR, um concurso similar mas que era para promover a indústria dos jogos eletrônicos no geral. Nosso jogo foi o Color Rangers, um jogo de estratégia com RPG no universo dos heróis japoneses. Ele passou na primeira etapa, mas não da segunda, que é a que valeria dinheiro mesmo. Hoje eu teria condições de executar este projeto com certeza. Ao menos a primeira fase nos rendeu uma foto ao lado do então Ministro da Cultura, Gilberto Gil.
No começo do ano nós descobrimos que a Behold, uma desenvolvedora brasileira, estava fazendo um jogo chamado Color Squad, um jogo de estratégia com RPG no universo dos heróis japoneses… Coincidência? Acho que não, mas isso não importa. Fico até orgulhoso pois mostra que tivemos uma ideia bem legal.

Documentos como produto final

Assim como o antigo concurso do Ministério da Cultura, este concurso vai julgar um projeto de jogo e não o jogo já feito. Isso é uma postura bem diferente do que eu já fiz principalmente nos Ludum Dare (competição de criação de jogos em 48h) em que o que vai a juri é o jogo que você conseguiu criar.
No INOVApps, o que vai ser julgado é a proposta. É uma série de documentos que descrevem o jogo e como ele será feito. Deve-se dizer qual é a mecânica do jogo, seu tema, fases, arte conceitual. Com base nestes documentos eles vão ver quem tem uma boa ideia e parece ter capacidade de executá-la.
Eu tenho um pouco de receio deste tipo de abordagem já que ele dá margem para os participantes viajarem na maionese e escreverem projetos . E pior, dá margem para que eles sequer escrevam uma linha de código para o jogo final.
Com relação a este último item, o regulamento do concurso lida bem pois, mesmo com os ganhadores já definidos, só vai liberar grande parte dos recursos só depois de dar entregáveis. Só depois do jogo concluído é que se teria direito a mais de 40% do dinheiro.

Jogos sérios

Investiguei na internet e li bastante sobre o assunto de jogos sérios. Fiquei um pouco temeroso pois a maioria dos jogos sérios… não é jogo, e sim conteúdo interativo. Segundo a teoria dos jogos, um jogo deve ter uma dinâmica entre os participantes, em que a ação de um afetaria o outro.
Vi vários visualizadores 3D e 2D, com diversos graus de interação. Mas vi realmente poucos que eu chamaria de jogos. Sem qualquer tipo de pontuação ou limitarores (como vidas), é difícil considerar um infográfico interativo como um jogo. Espero que a banca tenha isso em mente.

Minha proposta

Estou totalmente tentado a participar do concurso. Estou já com alguns pequenos protótipos que poderia facilmente adaptar para um jogo mais educativo, com temática mais séria, mas ainda sim mantendo ele divertido e interessante.
Sempre fui facisnado com o conceito de que, na pele de um governante, é tudo bem mais complicado que se apenas ver de fora. Gosto do conceito de que tudo tem 2 lados. Meus jogos sempre refletem isso, fazendo com que o jogador sempre tenha um certo dilema ao tentar ganhar dinheiro em detrimento da felicidade ou tentar vencer a guerra deixando alguns aliados morrerem.
Para apresentar alguma proposta é preciso que ela seja enquadrada em uma das categorias listadas no edital.
Estou querendo abordar a violência. No mundo dos jogos ela é sempre retratada de uma maneira muito simplista: bem contra o mal. Mesmo em jogos de estratégia, todos os que não são amigos são inimigos. Acho que dá para explorar este conceito de quem é amigo e quem é inimigo, além do que eu já tentei, ao colocar dilemas morais.
Também estou bastante interessado tem temas de governabilidade. Acho que posso atacar temas como turismo e uma dinâmica de toma-lá-dá-cá. Algo como Trópico, mas com uma pegada um pouco mais didática e com base histórica.
Qualquer que seja a proposta, vou tentar fazer uma obra de entreterimento. Isso por uma razão pragmática: se o jogo for bom e divertido, os jogadores jogarão mais e o conteúdo informativo será mais fixado. Não adianta ser uma obra intessante que a pessoa vê, usa e joga fora. Ele tem de ter uma vida útil longa. E vou tentar garantir isso por meio de um mecânicas de jogo.