Português English

Cinema

Filmes de 2023 feature
2023.12.31

Filmes de 2023

A cada ano, tento compilar uma lista de jogos, livros e filmes que experimentei. Para a lista completa, confira as Avaliações. Lá vamos nós (ordenados por classificação e depois alfabeticamente)!

OBSERVAÇÃO: Acredito que esta lista seja a mais incompleta. Provavelmente farei adições de tempos em tempos.

  1. Esqueceram de Mim (10★★★★★★★★★★): Um clássico de Natal. Estava na TV e me prendeu. Adoro.
  2. Everything Everywhere All at Once (9★★★★★★★★★): Sem dúvida, o melhor filme no geral. É uma experiência encantadora e instigante. Os atores chineses entregam uma atuação INCRÍVEL. Eu votaria para melhor atriz, melhor ator coadjuvante e atriz coadjuvante. Sem mencionar os louváveis efeitos visuais e escolhas de figurino. A variedade de trajes que brevemente apareceu na tela é impressionante.
  3. Moulin Rouge: Um banquete sensorial servido com um deslumbrante vestido de paixão parisiense. Este filme te envolve em uma valsa vertiginosa de amor e perda, pintando uma obra-prima no quadro do seu coração.
  4. The Wonderful Story of Henry Sugar (9★★★★★★★★★): Uma incrível história curta de #RoaldDah. Bem estilo Wes Anderson.
  5. Air (8★★★★★★★★): Um “documentário” legal, não ótimo, contando a história dos gerentes da Nike criando seu produto mais famoso e lucrativo até hoje: os tênis Air Jordan.
  6. Poison (8★★★★★★★★): Outra ótima história curta de #RoaldDah adaptada por Wes Anderson.
  7. The Rat Catcher (8★★★★★★★★): A história curta mais louca de #RoaldDah adaptada por Wes Anderson. Muito boa também.
  8. The Swan (8★★★★★★★★): A história curta mais curta de #RoaldDah adaptada por Wes Anderson. Muito boa.
  9. Triangle of Sadness (8★★★★★★★★): Meu filme favorito do Oscar 2023. Apesar de não ter chance de ganhar, é uma sátira social ácida que certamente fará você coçar a cabeça. É uma piada recorrente na minha família sobre o gosto pela escatologia, e o filme entrega.
  10. The Remains of the Day (8★★★★★★★★): Hopkins é um ator incrível, ponto final. Apenas dois anos após ganhar o Oscar por Hannibal em O Silêncio dos Inocentes, agora ele é um mordomo de maneira muito Downton Abbey, o que permitiu que ele conrresse (mas não ganhasse) sua segunda estatueta dourada.
  11. All Quiet on the Western Front (7★★★★★★★): As cenas de abertura mostrando os rapazes ansiosos para participar da guerra contrastando com os primeiros momentos no campo são uma verdadeira lição. No entanto, o filme é uma série de contos de infortúnios fundidos.
  12. Elvis (7★★★★★★★): Austin Butler, o ator que interpreta Elvis, entrega uma atuação de primeira. No entanto, o personagem de Tom Hanks é meio irritante. O filme tem uma primeira metade forte e uma segunda arrastada. Está a um passo de ser um documentário, mas ainda assim é agradável.
  13. Glass Onion A Knives Out Mystery: Indicado para melhor Roteiro Adaptado. Agora estou curioso sobre o texto original. Pode ser bom. Novamente, ainda é um zoológico de personagens com um detetive entediante.
  14. The Greatest Show (7★★★★★★★): Musical legal. Ótima atuação de Hugh Jackman, mas falta o charme para ser um concorrente de Moulin Rouge.
  15. Top Gun Maverick: Uma sequência divertida que aproveita o filme original. Ótimos visuais, boa história.
  16. Luckiest Girl Alive (6★★★★★★): Esperava uma ótima história, mas tive dificuldade em engolir sua protagonista e seu mistério.
  17. The Menu (6★★★★★★): Uma entrada tentadora de intriga, ligeiramente cru na trama principal. No entanto, a sobremesa das atuações salva essa refeição cinematográfica de ser completamente esquecível.
  18. Avatar 2: Ruim.
  19. The Mummy 2017: Ruim.

Documentários

  1. Vale o que esta Escrito: O melhor documentário do ano tem foco brasileiro. Trata-se da Máfia do jogo no Rio de Janeiro.
  2. Navalny (7★★★★★★★): Um documentário arrepiante tão angustiante quanto um thriller da Guerra Fria, mas repleto da realidade áspera da política russa moderna. É como um copo de vodka puro, sem misturas.

Animações

  1. Guillermo del Toros Pinocchio: Uma adorável adaptação. É um pouco seco no departamento de narrativa, com desvios abruptos na história (principalmente devido ao material de origem), mas gostei.

TV

  1. The Last of Us S1: Uma ótima série, muito próxima ao material de origem, até onde eu sei (nunca joguei os jogos). Outro ótimo roteiro de Craig Mazin. Sou fã de seu trabalho desde que comecei a ouvir seu podcast ScriptNotes há muito tempo.
  2. Cyberpunk Edgerunners (7★★★★★★★): Surpreendentemente bom e transmite um pouco da sensação imaginada do jogo e do universo Cyberpunk.
  3. Only Murders In The Building S3: Algumas pessoas gostaram desta temporada, mas achei apenas ok. Melhor do que a segunda, com personagens memoráveis, mas a premissa é muito restrita, impedindo um crescimento natural. O personagem da Selena é 100% irrelevante.
  4. Succession S4: A harmonia familiar e a habilidade nos negócios continuam a degradar, em suas trajetórias conhecidas. Mas depois de tantos escândalos, isso se torna cada vez menos crível. Além disso, se arrasta mais que o necessário. Pelo menos, termina em uma nota alta.
  5. Ted Lasso S3: Uma terceira rodada de artimanhas calorosas no futebol com uma sequência vitoriosa de compaixão e triunfos do azarão. É como uma caixa de biscoitos favoritos; você simplesmente não consegue resistir a querer mais.
  6. The Rings of Power S1: A Amazon investiu muito, mas o roteiro não é inspirado. Muito ruído branco, com personagens que não fazem muito, nem influenciam a história. O ponto alto, é claro, é a revelação final.
Deixe os Homenzinhos Azuis se Afogarem feature
2023.06.12

Deixe os Homenzinhos Azuis se Afogarem

Depois de um hiato de uma década, James Cameron finalmente nos presenteou com a sequência de seu revolucionário filme, Avatar. O filme original explodiu nos cinemas, provocando um voo–de-galinha de tecnologia 3D, mas que deixou os espectadores boquiabertos. Esta sequência, no entanto, parece mais um balão murchando.

Tive o prazer de assistir Avatar: O Caminho da Água no conforto da minha sala de estar - certo, sem óculos 3D, sem som surround, apenas as falhas gritantemente óbvias do filme em sua forma bruta. Em retrospectiva, posso dizer com confiança que assistir a esta sequência foi um desastre na certa. Felizmente, não contribuí financeiramente para o espetáculo da decepção.

Antes de mergulhar na crítica, vamos tomar um momento para reconhecer que esta sequência faz parte de um arco de mais de cinco filmes. Dada a qualidade deste, a perspectiva de assistir a outros três ou mais filmes Avatar parece mais uma ameaça do que uma promessa.

Personagens de Novela Mexicana

Se o carisma fosse uma moeda em Pandora, os personagens estariam na miséria. Os que retornam, que já não eram particularmente interessantes para começar, agora foram relegados para o banco de reservas, sua presença é tão significante quanto um figurante em uma novela mexicana. Pobre Zoe Saldaña que se viu nadando em um tanque para filmar cenas que acrescentaram tanto à trama quanto um grão de areia a uma praia.

Dizer que o elenco está inchado seria um eufemismo. Há mais personagens aqui do que estrelas no céu noturno de Pandora. Nosso protagonista, Jake Sully, é agora o pai de quatro filhos. O rei local tem uma prole de três. Há uma criança Tarzan correndo por aí, e os vilões consistem em uma general feminina sem nome e um durão renascido cujo desenvolvimento de personagem é tão plano quanto uma pizza.

Alguém poderia argumentar que ter uma miríade de personagens oferece diversidade e profundidade. No entanto, os nativos se confundem em uma única massa homogênea de seres seminus de pele azul e verde. Há pouca diferenciação entre eles, tanto visualmente quanto em termos de personalidade.

Os arcos dos personagens, se é que podemos chamar assim, são tão irrelevantes para a trama. Esses dilemas pessoais poderiam ter fornecido uma profundidade ótima para os personagens, mas em vez disso, parecem distrações deslocadas no grande esquema da narrativa do filme. Eles começaram a dirigir um épico de ficção científica e decidiram transformar a sequência em um drama adolescente com orçamento de Hollywood.

Histórias para 1001 Noites

O Avatar original, ame-o ou odeie-o, tinha um tema claro. Era essencialmente uma nova versão de Pocahontas no espaço - o que não é necessariamente uma coisa ruim. Ele tinha uma narrativa simples e direta com uma mensagem clara. A sequência, em contraste, carece de tal clareza.

A estrutura narrativa se assemelha a um quebra-cabeça montado às pressas com peças emprestadas de várias outras caixas. Uma parte significativa da trama é dedicada aos personagens aprendendo novas habilidades a um ritmo implausível. Se você achou que Neo aprendendo Kung Fu em The Matrix esticou a credulidade, prepare-se para ver personagens aprendendo a um nado de super-herói, voar sobre dragões e caçar monstros únicos a uma velocidade que de dar inveja aos cursos de inglês total em 3 semanas do Instagram.

Subtramas abundam nesta sequência, mas estão tão desconectadas da narrativa principal quanto as inúmeras luas de Pandora. Para citar alguns:

  • Há uma história sobre as lutas adolescentes de aceitação, completa com xingamentos e brincadeiras de escola;
  • Há a subtrama do filho tentando provar a si para seu pai que ecoa ‘O Rei Leão’ da maneira mais desinspirada possível;
  • A criança druida que pode se comunicar com a Mãe Natureza de Pandora;
  • O garoto Tarzan com problemas não resolvidos com seu pai;
  • E o retorno de Free Willy;

Elas fornecem tanto valor à história quanto uma quinta roda a um carro.

A quantidade de subtramas é rivalizada apenas pelo grande número de personagens, e eles contribuem coletivamente tanto para a história principal quanto um único floco de neve para uma avalanche. No final, estamos exatamente onde começamos: os humanos perderam algumas tropas mais descartáveis, mas ainda possuem um arsenal do tamanho da Estrela da Morte. Os Na’vi continuam em perigo, Pandora continua em perigo e nós, o público, ainda estamos dando dinheiro a eles.

Cameron parece ter mudado a mensagem ecológica: sai o mineral único encontrado em Pandora (uma premissa desconfortavelmente próxima à de “Duna”), entra uma espécie de óleo de baleia que cura o envelhecimento, que parece ser uma crítica não tão sutil à indústria farmacêutica. No entanto, esta mudança de foco narrativo parece mais uma distração do que uma progressão significativa da trama, adicionando mais uma camada de confusão a uma história já confusa. Tudo isso nos deixa com a pergunta persistente: Qual era o ponto de tudo isso de novo?

A única personagem minimamente interessante

National Geographic

Finalmente, vamos abordar o elefante na sala. Quando o Avatar original estreou, ele inaugurou uma revolução em 3D que se esperava redefinir o cinema. No entanto, em retrospecto, essa revolução muito divulgada parece ter sido mais uma modinha do que uma mudança de paradigma duradoura. Muito parecido com a tecnologia 3D do primeiro filme, o visual não deixa uma impressão duradoura.

Embora o filme se esforce para oferecer uma representação do Discovery Channel de Pandora, ele acaba ficando aquém. As extensas cenas de contemplação não têm o impacto que claramente se pretende ter. Elas parecem mais uma tentativa pretensiosa de nos fazer maravilhar com o mundo alienígena exótico, em vez de servir como uma parte integrante da narrativa.

Em comparação com o primeiro filme, a paisagem visual da sequência é surpreendentemente sem graça. As ilhas flutuantes, repletas de uma paleta vibrante de cores e uma variedade diversificada de flora e fauna, fazem muita falta. É uma regressão para o azul e as baleias.

A música e a trilha sonora são tão memoráveis quanto uma flor esqueça-me-não deixada em um quarto escuro. Embora a música desempenhe um papel crucial na criação da atmosfera e do clima de um filme, a trilha sonora é totalmente dispensável. Você consegue lembrar alguma das músicas? Ela nem melhora a experiência de assistir, nem deixa uma impressão duradoura. Em um filme cheio de som e fúria, a música é um sussurro que não consegue se fazer ouvir.

Finalmente, O Fim (Por Enquanto)

Avatar: O Caminho da Água conseguiu obter 4 indicações ao Oscar, uma queda notável das 9 indicações que o filme original recebeu. Foi, sem surpresa, não um concorrente sério para Melhor Filme e ganhou apenas um prêmio, na categoria mais óbvia e cara.

A sequência leva o público em uma jornada para lugar nenhum, passando por um labirinto de subtramas confusas e personagens mal desenvolvidos, apenas para nos deixar exatamente onde começamos. Sua história é tão fina que provavelmente poderia ser resumida no prólogo do terceiro filme, e infelizmente, isso não é um exagero.

Falando do terceiro filme, sim, ele é uma certeza, com Cameron prevendo um arco de cinco filmes para o universo Avatar. Se essa perspectiva excita ou assusta, você provavelmente dependerá de sua tolerância para a produção de caras e conteúdo duvidoso.

Se você está procurando o melhor de James Cameron, sugiro revisitar Exterminador do Futuro 2. Se é a mistura única de Cameron de storytelling e exploração oceânica que você deseja, Titanic é o seu destino. E se é puramente uma aventura subaquática que você deseja, não procure além da animação original A Pequena Sereia (fuja do remake).

No final, Avatar: O Caminho da Água parece uma mistura 50-50 de gráficos de computador e burburinho de marketing, com pouco do coração, alma ou storytelling que fazem uma experiência cinematográfica memorável. Apesar do hype e da construção de mundo inteiramente novo, ele deixa você se sentindo um pouco enganado. Só podemos esperar que os filmes seguintes tenham mais a oferecer.

Minha Nota: 4★★★★
Metacritic: 67
Que Horas Ela Volta? feature
2015.09.12

Que Horas Ela Volta?

Prefiro o título em inglês; Segunda Mãe. Menos forte no ponto de vista do marketing, mas diz mais sobre o que veio. O filme faz uma crítica ao preconceito contra os pobres e imigrantes que se sujeitam a trabalhar na cidade grande, deixando a família para trás (mas com uma grande ferida no peito causada pela enorme saudade). A família rica mal nota a presença da criada e faxineira, se comporta como se fossem os melhores amigos e melhores patrões, mas tudo isso numa máscara de hipocrisia.

Regina Casé, a criada, é bem solitária mas aprendeu a lidar com sua posição no mundo. Não parece sofrer particularmente com isso todo dia. Com seus pequenos luxos, ela vai levando a vida, dia a dia. Cuida do filho dos patrões como se fosse uma mãe. Ela tem enorme carinho por todos, mesmo vivendo numa realidade completamente diferente.

Que horas ela volta 2.jpg

Só com a chegada inesperada da filha é que seus valores com a vida começam a ser questionados. A filha é rebelde e de personalidade forte, crítica com tudo que vê e ouve e bota em cheque o modo em que a mãe vive e trabalha. A doméstica que teve sempre respeito pelos patrões começa a questionar se a filha não está certa e tudo não poderia ser diferente.

Regina Casé mostra que é uma excelente atriz cômica, mesmo em momentos mais dramáticos. Os outros personagens são demasiadamente caricatos, mas passam a mensagem.

Minha Nota: 8★★★★★★★★
Metacritic: 82
Rotten Tomatoes: 97
Bruno MASSA