Que Horas Ela Volta?

Brasil, Cinema, Review

Prefiro o título em inglês; Segunda Mãe. Menos forte no ponto de vista do marketing, mas diz mais sobre o que veio. O filme faz uma crítica ao preconceito contra os pobres e imigrantes que se sujeitam a trabalhar na cidade grande, deixando a família para trás (mas com uma grande ferida no peito causada pela enorme saudade). A família rica mal nota a presença da criada e faxineira, se comporta como se fossem os melhores amigos e melhores patrões, mas tudo isso numa máscara de hipocrisia.

Regina Casé, a criada, é bem solitária mas aprendeu a lidar com sua posição no mundo. Não parece sofrer particularmente com isso todo dia. Com seus pequenos luxos, ela vai levando a vida, dia a dia. Cuida do filho dos patrões como se fosse uma mãe. Ela tem enorme carinho por todos, mesmo vivendo numa realidade completamente diferente.

Que Horas Ela Volta 2

Só com a chegada inesperada da filha é que seus valores com a vida começam a ser questionados. A filha é rebelde e de personalidade forte, crítica com tudo que vê e ouve e bota em cheque o modo em que a mãe vive e trabalha. A doméstica que sempre teve respeito pelos patrões começa a questionar se a filha não está certa e tudo não poderia ser diferente.

Regina Casé mostra que é uma excelente atriz cômica, mesmo em momentos mais dramáticos. Os outros personagens são demasiadamente caricatos, mas passam a mensagem.

Minha nota: 8.